“Corpos chocando-se e espíritos planando. Os dançarinos fizeram por si só um espetáculo no melhor dos sentidos...”

The New York Times – USA.


"... Se você nunca teve a oportunidade de estar próximo à boca de um vulcão em erupção, nunca queira faze-lo, mas se já estiver por lá não deixe de aproveitar e da uma olhadinha para dentro. Esta é a sensação que se tem ao assistir um espetáculo do Balé Folclórico da Bahia..."

The Australian – Austrália.

“Exuberantes, infatigáveis e virtuosos, os dançarinos, cantoras e músicos desta extraordinária companhia explodiram com ritmos afro-brasileiros que são suas principais heranças. Como mostra de bravura, o Maculelê com seus bastões e lâminas faiscando e a Capoeira com seus saltos e golpes voadores foram eletrizantes. E ninguém pode estar imune ao contagiante ritmo de Samba Reggae ...”

Anna Kisselgoff, The New York Times – USA.

“Se alguém ainda pensa que os tons bronzeados da garota de Ipanema representam tudo do Brasil, deveria mudar de idéia e de conceito após a estréia do Balé Folclórico da Bahia em Nova York, no City Center...”

Anna Kisselgoff, The New York Times – USA.

“Algo se passou no Brasil, que nada mais foi do que um encontro particularmente feliz do longo impulso melódico da sensibilidade latina com a energia propulsiva da música africana. Estes dançarinos movem o bater do coração de uma nação. O pulsar exuberante do samba ultrapassou a ribalta e fez com que o público dançasse nos corredores...”

San Francisco Chronicle – USA.

“Com seu carnaval coreografado, dança dos escravos (Maculelê) e na capoeira (dança de golpes altos que também é uma forma de arte marcial), e, sobre tudo, na alegria do samba, este exuberante e único grupo brasileiro deve, absolutamente, ser visto...”

Anna Kisselgoff, The New York Times – USA.

"Viva a Bahia. O Auditorium Maurice Ravel foi transfigurado por um balé de flama e furor..."

Le Progress – França.

 

<anterior